Ainda podemos?

Ainda podemos?

Juliana Sayuri – Os jovens acreditaram no “yes, we can change” de Barack Obama. Oito anos depois, querem mais mudança. De olho nas eleiçõesamericanas, o economista Joseph Stiglitz, Prêmio Nobel, atribui peso decisivo ao voto da juventude nesta nova disputa presidencial. “Precisamos imaginar que é possível mudar esse sistema. E os jovens, sim, acreditam que outro … Continue lendo »
‘País pode ter crescimento, mas com aumento da desigualdade’, diz Belluzzo

‘País pode ter crescimento, mas com aumento da desigualdade’, diz Belluzzo

Eduardo Maretti – Para economista, governo Temer, com Henrique Meirelles, vai “fazer a economia crescer reduzindo a ascensão dos de baixo, que foi muito importante no período Lula e no primeiro mandato de Dilma” Para economista,operação Lava Jato foi determinante na crise ao criar “problemas graves para as empreiteiras” Após a primeira coletiva do novo ministro … Continue lendo »
A trincheira das ideias: resistir para impedir a barbárie

A trincheira das ideias: resistir para impedir a barbárie

Eduardo Fagnani e Silvio Caccia Bava – A Plataforma Política Social e o Le Monde Diplomatique Brasil estão, em conjunto com outros parceiros, organizando um fórum de debates com o objetivo de analisar criticamente as ações do governo federal e do Congresso Nacional para subsidiar tecnicamente as ações de resistência política contra o retrocesso que se organizam … Continue lendo »
WikiLeaks: Temer foi informante da embaixada americana

WikiLeaks: Temer foi informante da embaixada americana

Site Metrópoles – WikiLeaks afirma que Michel Temer foi informante dos EUA Os documentos seriam de 2006, mas a organização sueca só divulgou as informações na noite desta quinta-feira (12/5) Em documentos divulgados na noite desta quinta-feira (12/5) no Twitter, o perfil oficial do Wikileaks afirma que o presidente interino do Brasil, Michel Temer (PMDB), … Continue lendo »
Qual a saída política?

Qual a saída política?

FREI BETTO – A deposição de Dilma me cheira a golpe parlamentar, à semelhança do que ocorreu em Honduras e no Paraguai. O governo dela, neste início do segundo mandato, não corresponde ao êxito alcançado no primeiro. Contudo, foi democraticamente eleito e eu, que o critico, não cedo ao oportunismo que se empenha em quebrar … Continue lendo »
Uma luz no fim do túnel para imóveis vazios e degradados

Uma luz no fim do túnel para imóveis vazios e degradados

Raquel Rolnik – Quem percorre nossas grandes cidades percebe a enorme quantidade de prédios vazios, abandonados ou subutilizados, degradando a paisagem e as áreas onde estão localizados. Parte desses imóveis tem hoje imbróglios jurídicos e fundiários que dificultam enormemente seu aproveitamento. Dentre estes –pasmem!–, vários são imóveis públicos, que em tese poderiam ser aproveitados para abrigar … Continue lendo »
Mais um golpe vagabundíssimo

Mais um golpe vagabundíssimo

Mário Magalhães – Poucos anos depois da deposição do presidente constitucional João Goulart, em 1964, um dos arautos mais estridentes do movimento avacalhou-o como “golpe vagabundíssimo”. Houvera, de fato, golpe de Estado. Mas antes o arauto o incensara como “Revolução”, em caixa-alta. E como cruzada em defesa da democracia e contra a corrupção. Proclamaram que seria … Continue lendo »
A abolição da escravidão e o tempo presente

A abolição da escravidão e o tempo presente

Rodrigo Medeiros – As históricas desigualdades sociais hierarquizaram o espaço urbano brasileiro e influenciam ainda hoje os elevados níveis de violência que enfrentamos. Em tempos de grande perplexidade política, a revista “The Economist”, em sua edição de 23 de abril de 2016, apontou para as muitas heranças que o Brasil não discutiu adequadamente.  Na matéria … Continue lendo »