Europa nega abrigo, mas comemora gols dos filhos de imigrantes

Europa nega abrigo, mas comemora gols dos filhos de imigrantes

Carol Castro — Entre as equipes do continente ainda no Mundial, todas têm em seus elencos grande número de jogadores de ascendência não europeia “Quando as coisas vão bem, eles me chamam de atacante belga. Quando não correm bem, sou o atacante belga descendente de congoleses”, conta Romelu Lukaku, da seleção da Bélgica A Bélgica deve muito a … Continue lendo »
“Meu filho se tornou neonazista e matou um homossexual com uma facada”

“Meu filho se tornou neonazista e matou um homossexual com uma facada”

Carolina Prado – Aos 23 anos, o filho do aposentado Genésio Mariuzzi, de 65, se envolveu no assassinato de um homossexual. Desde a adolescência, o pai notava no jovem um comportamento rebelde, mas diz que as coisas pioraram quando ele se uniu a grupos de ódio, de postura neonazista. “Eu tentava entender porque ele estava … Continue lendo »
Para pesquisadoras, debate sobre gênero é político e necessário

Para pesquisadoras, debate sobre gênero é político e necessário

Bruna Caetano – Evento na FFLCH abordou a subocupação de cargos importantes hierarquicamente por mulheres dentro e fora da Universidade. “Não se nasce mulher, torna-se mulher”. A frase de Simone de Beauvoir foi escolhida por Maria Arminda do Nascimento Arruda, segunda diretora da história da FFLCH (Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas) da USP, ao … Continue lendo »
O ativista que criou uma identidade falsa para se infiltrar em grupos racistas nos EUA e Europa

O ativista que criou uma identidade falsa para se infiltrar em grupos racistas nos EUA e Europa

BBC Brasil – Patrik Hermansson chegou cedo ao Emancipation Park de Charlottesville, em Virginia, nos Estados Unidos, naquele 12 de agosto de 2017. Ali, ele se juntou a um grupo de ativistas de extrema direita chamado Alt-right, que protestavam contra a retirada da estátua de Robert E. Lee, um líder dos confederados durante a guerra … Continue lendo »
Brasil, a lanterna no ranking de participação de mulheres na política

Brasil, a lanterna no ranking de participação de mulheres na política

MARINA ROSSI – Atuação feminina em cargos do Executivo é abaixo da média mundial e deixa país em último lugar no continente americano. Ao longo dos últimos anos, o mundo vem presenciando um grito potente de mulheres que, em diversos países, clamam por igualdade de gênero. Em diferentes esferas, dos estádios de futebol ao ambiente corporativo, há uma luta … Continue lendo »
Como é ser negro no Brasil

Como é ser negro no Brasil

Milton Santos – O professor Florestan Fernandes e o professor Otavio Ianni, escreveram ambos que os Brasileiros, de um modo geral, não têm vergonha de ser racista, mas têm vergonha de se dizer que são racistas. Eu tive a sorte de ser negro em pelo menos quatro continentes e em cada um desses é diferente ser … Continue lendo »
O discurso de ódio que está envenenando o Brasil

O discurso de ódio que está envenenando o Brasil

XOSÉ HERMIDA – A caça às bruxas de grupos radicais contra artistas, professores, feministas e jornalistas se estende pelo país. Mas as pesquisas dizem que os brasileiros não são mais conservadores. Artistas e feministas fomentam a pedofilia. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o bilionário norte-americano George Soros patrocinam o comunismo. As escolas públicas, a … Continue lendo »
Na era do empobrecimento da linguagem, quem ousa ser diferente deve ser eliminado

Na era do empobrecimento da linguagem, quem ousa ser diferente deve ser eliminado

Rubens Casara – Os discursos de ódio, a dificuldade de interpretar um texto, o desaparecimento das metáforas, a incompreensão das ironias, a divulgação de notícias falsas (ou manipuladas) e o desrespeito à Constituição são fenômenos que podem ser explicados a partir de uma única causa: o empobrecimento subjetivo. Empobrecimento que se dá na linguagem. Alguns … Continue lendo »
Entre discursos loucos e nobres, para onde devemos olhar para entender as chaves das políticas migratórias dos EUA

Entre discursos loucos e nobres, para onde devemos olhar para entender as chaves das políticas migratórias dos EUA

PRISCILA VILLELA – A principal marca do governo Trump tem sido os seus apaixonados discursos grosseiros. Sem ‘papas na língua’, o atual presidente norte-americano tem quebrado protocolos atribuídos à sua posição, na medida em que qualifica imigrantes como aqueles que “trazem as drogas, trazem o crime, são estupradores”, contra os quais propôs a construção de um … Continue lendo »