A crise brasileira, a dívida pública e o déficit da previdência

A crise brasileira, a dívida pública e o déficit da previdência

JOÃO PAULO CALDEIRA – Maria Lúcia Fattorelli: “O governo fabrica o déficit ao considerar apenas a arrecadação do INSS e comparar com todo o gasto da Previdência”. Em palestra no Clube de Engenharia, Maria Lúcia Fattorelli, fundadora e coordenadora nacional do movimento Auditoria Cidadã da Dívida, desenhou o Brasil da abundância, que o brasileiro não vê … Continue lendo »
Por que os Paraísos Fiscais não são invencíveis

Por que os Paraísos Fiscais não são invencíveis

Grazielle David – Um ano após o escândalo dos Panamá Papers, surgem propostas concretas para impedir que as megacorporações e os super-ricos continuem praticando sonegação internacional sistemática. Haverá vontade política? Para marcar o primeiro aniversário do Panamá Papers, escândalo relacionado com paraísos fiscais, organizações e movimentos do mundo todo articuladas por meio da Campanha Multinacionais paguem o justo organizaram … Continue lendo »
O fim do (petro)dólar: o que a Reserva Federal não quer que se saiba

O fim do (petro)dólar: o que a Reserva Federal não quer que se saiba

Shaun Bradley – China, Rússia e Índia começaram, há anos, a acumular reservas de ouro. Constataram que ativos sólidos irão constituir a medida da verdadeira riqueza – não imprimir dinheiro. Publicamos como documento este artigo vindo dos EUA. Para além do seu conteúdo concreto, é importante pelo que revela do sentimento de crise interna na … Continue lendo »
Especialista russo revela quem pode estar por trás do bitcoin e seu verdadeiro papel

Especialista russo revela quem pode estar por trás do bitcoin e seu verdadeiro papel

Tatyana Yudina – Criptomoedas estão dando o que falar em 2017; o preço do bitcoin aumentou mais de 2.000% e muitos falam em verdadeira revolução no mundo financeiro. Entretanto, o economista Valentin Katasonov disse à Sputnik Brasil que o bitcoin está preparando a humanidade para mudanças sem precedentes. Em 2017, o mercado de criptomoedas bateu … Continue lendo »
A taxa básica de juros está mesmo caindo?!

A taxa básica de juros está mesmo caindo?!

Política Econômica da Maioria – Em sua reu­nião de 07/12/2017, o Con­selho de Po­lí­tica Mo­ne­tária (COPOM) de­cidiu baixar a taxa bá­sica de juros (SELiC) para o seu menor pa­tamar his­tó­rico, 7% ao ano (1). O “mer­cado” co­me­mora o feito, como se agora fi­nal­mente o Banco Cen­tral es­ti­vesse le­vando adi­ante uma po­lí­tica mais ami­gável. Mas não é … Continue lendo »
Os economistas do sistema também tremem

Os economistas do sistema também tremem

Eleutério F. S. Prado – Num curioso artigo, dois deles admitem — oh! — que o domínio do capital financeiro provoca instabilidades e crises. Mas logo propõem uma “saída”. Mudanças? Nunca: que as sociedades salvem os bancos! Dois macroeconomistas consagrados na academia norte-americana, Olivier Blanchard e Lawrence Summers[1], juntaram-se para escrever uma proposta de reformulação das … Continue lendo »
O fracasso da política monetária de Michel Temer

O fracasso da política monetária de Michel Temer

José Martins – Ocorreram modificações importantes com as taxas reais de juros internacionais, quatro meses depois que analisamos o mesmo assunto em nosso boletim “Por que o Brasil das ‘reformas’ não vai sair do buraco? Dê uma olhada no ranking mundial de juros reais”. É muito importante atualizar agora os números utilizados naquela análise sobre o rígido … Continue lendo »
Copom e juros reais

Copom e juros reais

Paulo Kliass – As páginas de economia e os comentaristas especializados dos grandes jornalões só fazem comemorar a decisão da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central. Afinal, não é pra menos. Há meses que o governo de Temer e Meirelles vem garimpando arduamente, a cada dia que passa, alguma notícia … Continue lendo »
A difícil decolagem do PIB brasileiro

A difícil decolagem do PIB brasileiro

Fernando Grossmann – O crescimento residual de 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro no 2º trimestre/2017 veio mais fraco do que o minguado 1,0% do trimestre anterior. No entanto, os economistas em geral estão considerando (e comemorando efusivamente) o residual 0.2% como mais positivo que o minguado 1,0%. Justificam a euforia pelo fato do “consumo … Continue lendo »