Sobre o marxismo e questões transversais

Sobre o marxismo e questões transversais

Wladimir Pomar – Este co­men­tário surgiu da cons­ta­tação de que existem pes­soas sin­ceras que ainda acre­ditam na queda do Muro de Berlim e no des­monte da União So­vié­tica como fa­tores que atin­giram todas as es­querdas e fi­zeram com que seus pen­sa­mentos pas­sassem a girar como um pião e a re­pro­duzir va­ri­antes de in­ter­pre­tação mar­xista. O que … Continue lendo »
Renda Universal Básica. “A esquerda deve ter um projeto próprio de reformas trabalhista e da Previdência”

Renda Universal Básica. “A esquerda deve ter um projeto próprio de reformas trabalhista e da Previdência”

IHU – Uma renda básica universal “é uma das propostas mais interessantes que poderiam reconfigurar a discussão sobre direitos e garantias” no Brasil. A avaliação é da professora Tatiana Roque, que dá aula na pós-graduação de Filosofia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Com pesquisas em história da ciência e filosofia francesa contemporânea, ela acredita que a … Continue lendo »
“Precisamos restaurar o protagonismo dos movimentos de base”

“Precisamos restaurar o protagonismo dos movimentos de base”

Rute Pina – Escritor participou de encontro nacional dos movimentos de moradia e defendeu a unificação dos movimentos populares “Nós falhamos porque abandonamos o trabalho de formação política e de organização de base a longo prazo”, disse o escritor A formação política e o resgate do trabalho de base e de equipes de educação popular são, … Continue lendo »
As ciências humanas e a guerra cultural no Brasil

As ciências humanas e a guerra cultural no Brasil

Marcos Napolitano – Se quisermos um país com capacidade de formulação de políticas públicas eficazes, precisamos das ciências humanas na pesquisa e na educação. Independente do debate esquerda / direita, que se bem colocado pode até ser muito produtivo (o que não é o caso do Brasil atual, infelizmente), as ciências humanas têm um papel a … Continue lendo »
A Revolução na Finlândia

A Revolução na Finlândia

Eric Blanc – A esquecida Revolução Finlandesa talvez tenha mais lições para nós hoje do que os acontecimentos de 1917 na Rússia. No último século, histórias sobre a revolução de 1917 geralmente focaram-se em Petrogrado e nos socialistas russos. Mas o Império Russo era predominantemente composto por não-russos – e os levantes na periferia imperial … Continue lendo »
Três dimensões da tragédia da esquerda no início do século XXI

Três dimensões da tragédia da esquerda no início do século XXI

Edemilson Paraná – Pode-se dizer que a ação das esquerdas realmente existentes hoje se divide em três as grandes “correntes”. E se, na busca por uma esquerda conectada com os desafios de nosso tempo, conseguíssemos nos pautar pela necessidade de reter as virtudes e descartar os vícios de cada uma? Passadas as venturas e desventuras do longo … Continue lendo »
Dez conselhos para os militantes da esquerda

Dez conselhos para os militantes da esquerda

Frei BETTO – Pontos para reflexão. 1. Mantenha viva a indignação. Verifique periodicamente se você é mesmo de esquerda. Adote o critério de Norberto Bobbio: a direita considera a desigualdade social tão natural quanto a diferença entre o dia e a noite. A esquerda encara-a como uma aberração a ser erradicada. Cuidado: você pode estar … Continue lendo »
Os erros de estratégia se pagam

Os erros de estratégia se pagam

Valerio Arcary – Os erros de es­tra­tégia se pagam. In­sistir na mesma es­tra­tégia, tro­cando os lí­deres, não terá outro de­sen­lace senão novas der­rotas. As vir­tudes dos ho­mens são se­me­lhantes ao voo dos pás­saros. A ave que se ha­bitua com a pai­sagem ras­teira, perde o gosto pela al­tura. Sa­be­doria po­pular in­diana A úl­tima se­mana foi triste. … Continue lendo »
Portugal, a nova vitrine do socialismo europeu

Portugal, a nova vitrine do socialismo europeu

Luiz Eça – Por­tugal en­trou em 2011 numa si­tu­ação pré-fa­li­mentar. Os efeitos da grande crise econô­mica de 2008-2009, so­mados aos gastos ex­ces­sivos de go­vernos so­ci­a­listas, tor­naram a dí­vida pú­blica gi­gan­tesca. Ficou cada vez mais di­fícil para o go­verno José Só­crates fi­nan­ciar suas des­pesas, pois os juros cres­ciam de forma in­sus­ten­tável. Che­garam a quase 17%, em … Continue lendo »