Lições do Dia dos Professores em tempos de patrulha ideológica

Matheus Pichonelli – Dois deputados invadiram o colégio Pedro 2º, no Rio, na semana passada, para colocar em prática uma espécie de pedagogia da intimidação em “defesa da educação”. Armados com celulares, eles tramaram uma “vistoria” para registrar uma suposta doutrinação dos estudantes em uma das mais tradicionais instituições de ensino do país.

Um dos grandes problemas encontrados pelos parlamentares, aqueles mesmos que rasgaram uma placa em homenagem a Marielle Franco, foi um cartaz que abordava a morte de crianças a tiros nas favelas. Em um diálogo constrangedor, um deles chegou a dizer ao reitor que a violência era uma reação contra bandidos. Teve de ouvir de volta que uma criança de oito anos não podia ser “bandido”.

Num sinal de que a escola é ainda uma instituição viva, pulsante e disposta a reconstruir o mundo falido e embrutecido herdado dos pais, os estudantes reagiram, expulsando os maus alunos com cargo eletivo em coro por defesa da justiça. “Não aceitamos deputados da milícia”, gritaram.

Quem também não aceitou a mordaça foram os alunos de um tradicional colégio de Belo Horizonte, onde uma prova de interpretação foi anulada recentemente por ter como base colunas de Gregório Duvivier e Mathias Alencastro.

Parte da bronca partiu dos próprios pais, apavorados com a possibilidade de os filhos pensarem por si e se tornarem os agentes de transformação que eles jamais foram.

A resposta dos estudantes foi uma aula. “Das quatro questões referentes ao texto, uma é relacionada à colocação pronominal, e as outras três à estrutura característica dos textos de humor”, explicaram os alunos, em carta de repúdio. “Essas críticas subestimam nossa autonomia e senso-crítico, e partem do pressuposto que um único texto, com menos de 30 linhas, seria capaz de moldar nossa opinião, supostamente ingênua e infundamentada”.

Os episódios no Rio e em BH são exemplos das tensões enfrentadas nas escolas do Brasil de um tempo pra cá. A reação dos alunos, porém, deixaria qualquer docente orgulhoso.

A tentativa de criminalizar o espírito crítico em sala de aula conseguiu produzir um efeito inverso no último dia 15, Dia dos Professores. Pelas redes, não faltaram homenagens, demonstrações de solidariedade e apoio aos que insistem em atravessar o corredor de brutalidade para ensinar. Eu, pelo menos, nunca tinha visto tantas mensagens de gratidão e desejo de força aos professores como neste ano. Estes responderam com avatares comemorativos de Facebook mostrando o orgulho de ser professor.

Muitos deles parecem dispostos a mostrar que o medo de quem não tem ideia para transformar o país em um lugar minimamente civilizado não é a “doutrinação”. É a inteligência. Ela é a única que pode tirar do conforto quem aposta nas trevas para esconder a própria miséria.

Se quiserem combater problemas de verdade, e não fantasmas que só ajudam a criar um clima de terror e patrulha em sala de aula, as autoridades fariam bem em deixar os alunos e professores em paz e observar as realidades onde o desamparo é a regra.

Brasil afora, 100 milhões de pessoas ainda não têm acesso à coleta e tratamento de esgoto, mais de 12,8 milhões de pessoas estão desocupadas, o desalento, estágio em que os trabalhadores desistem de procurar emprego, atinge atualmente 4,9 milhões de pessoas e o rendimento médio dos mais ricos é de R$ 27.744,. contra R$ 820 da metade mais pobre.

Isso sem contar que, entre 2007 e 2017, 3 em cada 4 homicídios no país vitimaram pessoas negras, conforme o Atlas da Violência 2019. É papel da escola conhecer e refletir sobre essa realidade racista e excludente se ela quiser ser um espaço de transformação de realidades, e não um polo produtor de mesmices.

Há quem acredite, porém, que basta colocar uma mordaça na sala de aula e arrancar papéis fixados no mural para que os dinossauros paridos e alimentados desde 1500 desapareçam de nossas vistas como um passe de mágica.

https://matheuspichonelli.blogosfera.uol.com.br/2019/10/17/licoes-do-dia-do-professor-em-tempos-de-patrulha-ideologica/

Responda