Esquerda, o resgate do sonho

Frei Betto – Per­tenço à ge­ração que teve o pri­vi­légio de fazer 20 anos nos anos 60: Re­vo­lução Cu­bana, Che, Be­a­tles, Rei da Vela, ma­ni­fes­ta­ções es­tu­dantis, Ale­gria, Ale­gria, Gláuber Rocha, McLuhan, re­vista Re­a­li­dade, Mar­cuse, Maio de 68, João XXIII, naves es­pa­ciais etc.

Era a ge­ração dos so­nhos. “So­nhar é acordar-se para dentro”, lembra Mário Quin­tana. Es­tá­vamos per­ma­nen­te­mente des­pertos. Nossas qui­meras não eram aca­len­tadas por drogas, mas por uto­pias.

Se­gundo a te­oria psi­ca­na­lí­tica, todo sonho é pro­jeção de um de­sejo. Nossa ge­ração de­se­java ar­den­te­mente mudar o mundo, ins­taurar a jus­tiça so­cial, der­rubar a velha ordem.

O sonho que­brou-se ao tocar a re­a­li­dade. A di­ta­dura mi­litar (1964-1985) en­carou como sub­ver­sivos nossos pro­testos e con­teve, com cas­se­tetes e tiros, nossas pas­se­atas. Nossos con­gressos es­tu­dantis ter­mi­naram em pri­sões e, es­cor­ra­çados para a clan­des­ti­ni­dade, não nos restou al­ter­na­tiva senão o exílio ou a re­sis­tência. Em nossas uto­pias os car­rascos abriram fe­ridas, e de­pen­du­raram nossos ideais no pau-de-arara. O que era canto virou dor; o que era en­canto, ca­dáver. A roda-viva se en­cheu de medo e o nosso cá­lice de “vinho tinto de sangue”.

Nossos pa­ra­digmas ruíram sob os es­com­bros do Muro de Berlim. Não era o so­ci­a­lismo das massas nem os pro­le­tá­rios no poder. Era o so­ci­a­lismo do Es­tado, pai e pa­trão, ato­lado no pa­ra­doxo de agi­gantar-se em nome do fim imi­nente da luta de classes. O eco­no­mi­cismo, a falta de uma te­oria do Es­tado e de uma so­ci­e­dade civil forte e mo­bi­li­zada, le­varam o rio das fan­ta­sias co­le­tivas a trans­bordar sobre as pontes fér­reas dos en­ge­nheiros do sis­tema. O so­ci­a­lismo real sa­ciava a fome de pão, não o ape­tite de be­leza. Par­ti­lhava bens ma­te­riais e pri­va­ti­zava o sonho. Todo sonho es­tranho à or­to­doxia era visto como di­ver­si­o­nista, ame­a­çador.

As­tuto, o ca­pi­ta­lismo so­ci­a­liza a be­leza para ca­mu­flar a cruel pri­va­ti­zação do pão. Aqui, todos são li­vres para falar; não para comer. Li­vres para tran­sitar; não para com­prar pas­sa­gens. Li­vres para votar; não para in­ter­ferir no poder. O Muro de Berlim ruiu e, ainda hoje, a po­eira le­van­tada em­baça os nossos olhos.

Sol­teira de pa­ra­digmas, a es­querda é uma don­zela per­plexa que, ter­mi­nada a festa, não con­segue en­con­trar o ca­minho de casa. Há muitos pre­ten­dentes dis­postos a acom­panhá-la, mas ela teme ser con­du­zida ao leito de quem quer es­tuprá-la. An­siosa, en­ve­reda-se pelo la­bi­rinto do elei­to­ra­rismo e se perde no jogo de es­pe­lhos que exa­cerbam o nar­ci­sismo de quem se ma­quia no re­flexo das urnas. Deixa-se ar­rastar pela ro­ta­ti­vi­dade elei­toral, onde ideais e pro­gramas são atro­pe­lados pela caça a votos e cargos. E, quanto mais se apro­xima das es­tru­turas de poder, mais se dis­tancia dos mo­vi­mentos po­pu­lares.

É bem ver­dade que, ao as­sumir a ad­mi­nis­tração pú­blica, in­veste em pro­gramas so­ciais, apri­mora o acesso à saúde, à edu­cação, mo­radia e cesta bá­sica. Con­tudo, des­pro­vida de an­daimes, não faz dessa massa um novo edi­fício teó­rico, al­ter­na­tivo à glo­bo­co­lo­ni­zação ne­o­li­beral que execra a ci­da­dania e exalta o con­su­mismo, re­pudia os di­reitos so­ciais e ido­latra o mer­cado.

A maré sobe – Equador, Chile, Ar­gen­tina – mas, na praia, pes­ca­dores acos­tu­mados a se­le­ci­onar os peixes têm os olhos cegos pelo re­flexo do Sol. A his­tória cessou?

Fora da es­querda, não há saída para a mi­séria que as­sola o pla­neta (1,3 bi­lhão de pes­soas). A ló­gica do ca­pi­ta­lismo é in­com­pa­tível com a jus­tiça so­cial. O sis­tema re­quer acu­mu­lação; a jus­tiça, par­tilha. E não há fu­turo para a es­querda sem ética, utopia, vín­culos com os po­bres e co­ragem de dar a vida pelo sonho.

Hoje, o so­ci­a­lismo já não é apenas questão ide­o­ló­gica ou po­lí­tica. É também arit­mé­tica: sem par­ti­lhar os bens da Terra e os frutos do tra­balho hu­mano, os quase 8 bi­lhões de pas­sa­geiros dessa nave es­pa­cial cha­mada Terra es­tarão con­de­nados, em sua mai­oria, à morte pre­coce, sem o di­reito de des­frutar o que a vida re­quer de mais es­sen­cial para ser feliz: pão, paz e prazer.

Resta, agora, a es­querda acordar para o sonho.

http://www.correiocidadania.com.br/2-uncategorised/13936-esquerda-o-resgate-do-sonho

Responda