Esquerda domina todos os países nórdicos da UE

Clóvis Rossi – A Dinamarca trocou a cor do bloco dominante em seu Parlamento, nas eleições desta quarta-feira (5), passando do azul (direita, extrema direita) para vermelho (esquerdas de vários matizes). Com isso, a social-democrata Mette Fredriksen deverá ser a primeira-ministra, já que seu partido teve maioria de votos, no geral e, naturalmente, no bloco vermelho.

O resultado vai além dos limites dinamarqueses: a ascensão de uma social-democrata na Dinamarca devolve todos os países nórdicos membros da União Europeia ao comando da centro-esquerda.

Além da jovem Mette Fredriksen (41 anos) na Dinamarca, na Suécia o primeiro-ministro é o também social-democrata Stefan Lofven, apontado para um segundo período em janeiro.

Fecha o círculo nórdico e europeu, Antti Rinne prestes a assumir a liderança de uma coligação de cinco partidos na Finlândia, na esteira das eleições de abril.

Há mais três países nórdicos (Noruega, Islândia e Ilhas Faroe) mas não fazem parte da União Europeia.

Recuperar o comando dos países nórdicos —que já foi feudo dessa corrente— é uma boa notícia para a social-democracia, que não está tendo exatamente desempenhos eleitorais brilhantes na Europa. Governa, é verdade, Espanha e Portugal, fez a maioria dos votos para o Parlamento Europeu na Holanda, mas vive declínio tremendo em centros relevantes.

Casos de Alemanha e França, para ficar apenas nos dois países mais ricos da União Europeia.

Mette Frederiksen substituirá a aliança de centro-direita que hoje governa a Dinamarca, com o primeiro-ministro Lars Lokke Rasmussen. Ele teve que depender, para formar a maioria, do Partido Popular Dinamarquês, um desses grupos xenófobos de extrema direita que anda assustando a Europa.

Nesta quarta-feira, o PPD foi o grande derrotado: perdeu mais da metade de seus votos e caiu abaixo de 10%.

Mas a sua força eleitoral em anos anteriores levou os partidos “mainstream” a adotar políticas duras contra a imigração, como é o caso até da agora vitoriosa social-democracia.

Frederiksen prometeu durante a campanha manter a política restritiva para imigrantes adotada pelo governo conservador e apoiada pelos xenófobos do PPD. Mas prometeu igualmente algo mais tradicional para a social-democracia: aumentar as despesas públicas para garantir um sistema social que é dos mais efetivos da Europa.

Aliás, os países nórdicos têm longa tradição de modelos de bem-estar social para os quais a contribuição da social-democracia foi essencial.

Essa mescla de políticas mais comumente associadas à direita/extrema-direita com programas típicos da social-democracia levou o jornal The New York Times a especular que a Dinamarca poderia se tornar “o laboratório do que serão os partidos de centro-esquerda doravante”.

Outro destaque da campanha eleitoral foi o avanço do meio ambiente como tema relevante: é prioridade para 46% dos dinamarqueses, contra 27% em 2017. É um dado coerente com os bons resultados colhidos pelos partidos verdes no pleito para o Parlamento Europeu.

https://www1.folha.uol.com.br/amp/colunas/clovisrossi/2019/06/esquerda-domina-todos-os-paises-nordicos-da-ue.shtml?__twitter_impression=true&fbclid=IwAR2xgRD6ZyyqYT9RmtbvUOfH5hKYmMgP_aqoMOVWhfl_Ohn65opfHCp-oao

Responda