Desindustrialização no Brasil é acelerada e prematura

IEDI – Retrocesso atingiu principalmente a indústria de alta e média-alta tecnologia.

A transformação da estrutura econômica faz parte do processo de desenvolvimento dos países, desde que contemple atividades capazes de gerar maiores ganhos de produtividade que se difundam para todo o sistema produtivo. Entretanto, há mudanças que não são para melhor. Este é o caso do longo e intenso regresso da indústria na economia brasileira.

Estudos recentes do IEDI (Cartas n. 920, 929, 934 e 940) mostraram que a perda de participação da indústria de transformação no PIB do Brasil não se assemelha às trajetórias de outros países, que foram acompanhadas de aumento da renda per capita, fortalecimento de ramos industriais intensivos em tecnologia e expansão de serviços sofisticados.

No caso brasileiro, o declínio relativo da manufatura foi prematuro, pois se deu em nível muito baixo de renda per capita, atingiu principalmente a indústria de alta e média-alta tecnologia, sendo que muitos de seus ramos nem chegaram a ser plenamente desenvolvimentos no país, e foi um dos casos mais intensos do mundo. Em 2018, a parcela da indústria no PIB, de 11,3%, chegou a seu ponto mais baixo desde 1947.

O presentge estudo, elaborado pelo economista Miguel Bruno, professor e pesquisador do UERJ e do ENCE-IBGE, mostra as consequências do retrocesso industrial sobre o investimento, a produtividade, o lucro das empresas e, consequentemente, sobre o crescimento econômico no Brasil. Auxilia, assim, a compreesão da gravidade da crise recente por que passamos e as dificuldades de o país assumir uma trajetória de recuperação consistente. O estudo completo estará em breve disponível no site do IEDI e as principais conclusões são apresentadas a seguir.

Indústria é principal alavanca do PIB

Os dados do estudo mostram uma ruptura importante do ritmo de crescimento da economia brasileira depois dos anos 1980. De 1947 a 1980, a taxa anual média de expansão do PIB do Brasil chegou a 7,4% ao ano (a.a.), caindo entre 1981 e 2018 para apenas 2,2% a.a.. Para Miguel Bruno, o retrocesso manufatureiro a partir de 1981 é o principal fator que desloca a economia brasileira da trajetória de alto crescimento, levando-a a trilhar uma fraca tendência de dinamismo econômico.

Isso decorre do fato de que a manufatura constitui a principal engrenagem de expansão do PIB. Dados estimados a partir de dados entre 1947 a 2018, indicam que uma alta sustentada de 1% da indústria de transformação tende, em média, a aumentar em cerca de 2% o valor adicionado das demais atividades econômicas. Testes estatísticos mostram que no longo prazo o sentido da causalidade vai da indústria de transformação para os outros setores, ao se completarem todos os efeitos cumulativos das variações do valor adicionado industrial sobre a economia.

Em contrapartida ao declínio da indústria no PIB, quem ampliou sua participação foram os serviços. Segundo o autor, isso se deu sobretudo naqueles ramos de serviços menos sofisticados e mais tradicionais. Vale lembrar que muitos dos serviços de elevado valor agregado costumam estar associados às atividades industriais, compondo o núcleo de um processo que vem, pouco a pouco, tornando mais tênues as fronteiras entre um setor e outro. O que se viu no Brasil, contudo, foi a ampliação dos serviços mais empregadores, porém menos produtivos.

Essa mudança da estrutura da economia brasileira, com menos manufatura e mais serviços tradicionais, teve duas implicações que concorreram sobremaneira para a crise do período 2015-2016.

A primeira é que, ao enfraquecer a presença da indústria de transformação no PIB, o Brasil reduziu a expressão do principal pólo gerador de inovações e de ganhos de produtividade para a economia como um todo. Isso porque a indústria condiciona não apenas a sua própria forma de produzir como também a dos demais setores econômicos, pois conta com um segmento próprio para este fim, o de bens de capital. Outra maneira de ilustrar o encolhimento da manufatura como polo de inovações e de eficiência produtiva é que entre 2007 e 2016, esse setor perdeu quase 10 pontos percentuais de participação dos investimentos totais no Brasil, chegando a apenas 18,7%.

A propósito, o período de significativa ampliação do investimento, entre 2003 e 2010, poderia ter tido efeitos benéficos sobre a eficiência produtiva, já que a produtividade depende das inversões em novos bens de capital, novas tecnologias e inovações. Mas não foi isso que ocorreu. Os ganhos de produtividade permaneceram aquém das necessidades da economia e do aumento da competitividade externa da indústria de transformação.

Tal desempenho deveu-se ao fato de terem sido os ramos industriais de menor intensidade tecnológica quem concentrou parte preponderante dos investimento, atingindo 65% da formação líquida de capital fixo total da indústria de transformação em 2010. Em contraste, os segmentos de alta tecnologia registraram tendência de declínio iniciada em 1996, passando de 10% para apenas 3% em 2016, e a média-alta ficou estável em 20%. Nessas circunstâncias, ficou comprometida a retomada dos ganhos de produtividade.

A segunda implicação a ser destacada é que o aumento da participação dos serviços na estrutura produtiva brasileira fez com que nosso crescimento econômico fosse acompanhado de uma demanda proporcionalmente maior de mão de obra. A elasticidade da ocupação em relação ao estoque de capital fixo produtivo em uso praticamente triplicou de 1953-1980 para 1981-2018, passando de 0,34 para 0,92.

Embora esta mudança seja positiva para dinamizar o emprego no país e alavancar o consumo doméstico, também significa, segundo o autor, pressões de alta sobre os salários em períodos de aceleração do crescimento econômico. Este não seria um problema se a outra face da moeda não fosse o regresso industrial e suas consequências negativas sobre a evolução da produtividade, bem como a ausência de políticas industriais efetivas que colocassem no centro de seus objetivos a eficiência produtiva.

No período recente de maior expansão econômica, de 2004 a 2013, o salário médio real cresceu muito acima da produtividade do trabalho. No subperíodo 2004-2010, enquanto a produtividade do trabalho acumulou alta de 17,4%, os salários reais avançaram 48,1%; no triênio seguinte, 2011-2013, estes valores foram de 5,8% e 16,3%.

Esta evolução ensejou o declínio da taxa de lucro empresarial já a partir do início dos anos 2010. No período de 2011-2013, a taxa de lucro acumulou queda de -11,3% desestimulando progressivamente os investimentos. A partir de 2015, o ajustamento fiscal realizado primordialmente por meio do corte dos investimentos públicos derrubou as inversões totais. Em 2014-2018, a taxa de lucro empresarial acumulou queda ainda maior, de -14,4%. A taxa média de crescimento anual do investimento da economia saiu de +8% em 2004-2010 para -2,2% em 2011-2018.

Na indústria, isso foi agravado por um ambiente de pressões concorrenciais importantes de manufaturados estrangeiros e por nossas grandes deficiências de competitividade. O estudo mostrou ainda que o descompasso entre produtividade e salários foi mais expressivo nos ramos de alta e média-alta intensidade tecnológica.

Leia o texto na íntegra: clique

http://aepet.org.br/w3/index.php/conteudo-geral/item/3539-desindustrializacao-no-brasil-e-acelerada-e-prematura

Responda