Copo vazio

Laura Carvalho  – Em dezembro de 2017, afirmei nesta Folha que a recuperação da economia brasileira seria a mais lenta de nossa história. Em um dos cenários que construí na ocasião —à época considerado demasiado pessimista—, o PIB (Produto Interno Bruto) que vigorava no primeiro trimestre de 2014 só voltaria a ser atingido em dezembro de 2021 –20 trimestres depois do fim da recessão.

Tal ritmo de recuperação já destoava muito do observado, por exemplo, na profunda recessão de 1981-83, quando o PIB pré-crise foi atingido em apenas sete trimestres, mesmo diante do grave quadro de descontrole inflacionário e crise da dívida externa. Destoava mais ainda do discurso assumido naquela época pela equipe econômica do governo Temer.

No livro “Valsa Brasileira: do Boom ao Caos Econômico” (ed. Todavia), que publiquei em maio de 2018, repeti a previsão. Com base na falta de motores de crescimento da demanda em um cenário marcado pelos altos níveis de desemprego, capacidade ociosa e endividamento privado, bem como por um teto cada vez mais restritivo de gastos públicos e uma já perceptível desaceleração global, concluí que estávamos mesmo diante de uma década perdida, de estagnação da renda per capita.

Mais de um ano depois, cabe um mea-culpa: tal como na esfera política, nem os maiores pessimistas conseguiriam prever o que estava por vir. Errei ao achar que o copo estava só meio vazio.

Para que seja uma década perdida em termos de PIB per capita, o que exige levar em conta as projeções de crescimento populacional, a economia brasileira teria que crescer 2,6% ao ano nos próximos cinco anos. Só assim recuperaríamos em dez anos, ou seja, no primeiro trimestre de 2024, a renda média do primeiro trimestre de 2014 —o início da recessão datado pelo Codace (Comitê de Datação de Ciclos Econômicos).

Para que seja uma década perdida em termos absolutos, ou seja, para que o nível pré-crise do PIB real seja atingido somente no primeiro trimestre de 2024, precisaríamos crescer 1,1% ao ano até lá. Parece pouco, mas, pelo andar da carruagem, não é. Afinal, se continuarmos crescendo ao ritmo observado desde 2017, o PIB real do primeiro trimestre de 2014 só será atingido em 2026. E o PIB per capita, só em 2040 e olhe lá.

Nenhum país deve conformar-se com esse tipo de trajetória, que dirá uma economia cuja renda per capita é 25,8% da norte americana. E o que é ainda mais grave para a maioria dos brasileiros: o baixíssimo crescimento observado no Brasil desde o início da crise tem sido apropriado pelo topo da distribuição de renda, como mostrou reportagem desta Folha baseada nos dados do World Inequality Database, e à custa de danos ambientais crescentes.

Estamos finalmente caminhando para um consenso de que a lentidão da atual recuperação deve-se a um problema de insuficiência de demanda, que vem sendo agravado pelo caráter pró-cíclico de nossas regras fiscais e pelas restrições crescentes impostas pelo “teto de gastos”. Mas isso não basta.

Enquanto o governo continuar dobrando a aposta no diagnóstico de que os maiores entraves ao crescimento econômico são os custos com a mão de obra, os direitos do cidadão, a Constituição de 1988, as florestas, os índios ou, essencialmente, a democracia, as sucessivas frustrações com os números do PIB tornam-se um mal menor.

https://www1.folha.uol.com.br/colunas/laura-carvalho/2019/08/copo-vazio.shtml?loggedpaywall

Responda