Ri, palhaço

Ri, palhaço

LUIS FERNANDO VERISSIMO – Pela lógica destes dias, depois da cassação da Dilma, o passo seguinte óbvio seria condecorarem o Eduardo Cunha, o herói do impeachment Depois da provável cassação da Dilma pelo Senado, ainda falta um ato para que se possa dizer que la commedia è finita: a absolvição do Eduardo Cunha. Nossa situação … Continue lendo »
Por que ensinar mais ŽiŽek em nossas escolas?

Por que ensinar mais ŽiŽek em nossas escolas?

Christian Ingo Lenz Dunker – O filósofo esloveno critica marxistas, feministas, ecologistas e multiculturalistas, mas defende explicitamente a liberdade e a Constituição Uma encarnação demoníaca do esquerdismo ideológico que ameaça nossas crianças é representada pelo filósofo esloveno Slavoj Žižek. Ele cruzou a fronteira do bom senso quando o Enem de 2015 escolheu uma questão baseada no … Continue lendo »
Paranoia

Paranoia

Leonardo Sakamoto – Recebi de um amigo um meme que está circulando nas redes com insultos a notórios comunistas comedores de criancinhas, consumidores de caviar, hipócritas usuários de smartphones, gayzistas destruidores da família como Gregório Duvivier, Jean Wyllys, Maria do Rosário e este que vos escreve – que a terra, um dia, há de comer. … Continue lendo »
Até quando esqueceremos Karl Marx?

Até quando esqueceremos Karl Marx?

Vicenç Navarro – É cada vez mais óbvio: só políticas decididas e intensas de redistribuição de riqueza — portanto, opostas às atuais —  permitirão enfrentar a crise econômica global, que se arrasta há oito anos Em consequência do enorme domínio que as forças conservadoras têm nos maiores meios de difusão e comunicação, inclusive acadêmicos, na Espanha, … Continue lendo »
Previdência: mexer com ela trará danos sociais dramáticos

Previdência: mexer com ela trará danos sociais dramáticos

Maurício Thuswohl – Para a economista Laura Tavares Soares, aumento da idade mínima para aposentadoria não será apenas injusto para quem contribui desde adolescente. Trará consequências sociais dramáticas Laura: nossa proteção previdenciária representa maior grau de formalização do emprego e, naturalmente, da cidadania Laura Tavares Soares faz parte de um grupo de economistas que enviou, … Continue lendo »
“Moradia se tornou sinônimo de mercadoria”, diz a ex-relatora da ONU Raquel Rolnik

“Moradia se tornou sinônimo de mercadoria”, diz a ex-relatora da ONU Raquel Rolnik

Camilla Hoshino e Thiago Hoshino – Em entrevista, a arquiteta fala sobre financeirização das políticas habitacionais em diversas partes do mundo Raquel Rolnik esteve em Curitiba para o lançamento de seu livro “Guerra dos Lugares” e participou do Circo da Democracia “A mudança de paradigma é que a moradia se transformou em um setor econômico, … Continue lendo »
BRASIL, RADIOGRAFIA DO GOLPE

BRASIL, RADIOGRAFIA DO GOLPE

Frei Betto – Em 17 de abril de 2016, o governo Dilma Rousseff foi destituído por um golpe parlamentar. Eis a nova modalidade de ação conservadora na América Latina. O primeiro golpe parlamentar ocorreu em Honduras (2009), com a deposição do presidente Manuel Zelaya. O segundo, no Paraguai (2012), quando destituíram o presidente Fernando Lugo. Quando … Continue lendo »
A estratégia de Temer para uma contra-reforma trabalhista

A estratégia de Temer para uma contra-reforma trabalhista

Pedro Rafael Vilela – Para reduzir salários, aumentar de jornadas e outros retrocessos, governo quer dar a sindicatos “poder” de renunciar a direitos. Em plena recessão, mudança seria devastadora O governo federal vai propor um projeto de lei para permitir que empresas possam reduzir salários e até mesmo aumentar a jornada diária de trabalho dos seus … Continue lendo »
“Cuidado com os políticos que fazem dos nossos sentimentos um instrumento de poder.”

“Cuidado com os políticos que fazem dos nossos sentimentos um instrumento de poder.”

Giulio Azzolini – Entrevista com Zygmunt Bauman. “Os vínculos se despedaçam, o espírito de solidariedade enfraquece, a separação e o isolamento tomam o lugar do diálogo e da cooperação”, afirma o sociólogo polonês Zygmunt Bauman. Professor Bauman, passaram-se 10 anos desde que o senhor escreveu “Medo líquido” (Ed. Laterza). O que mudou desde então? O … Continue lendo »