Com Reforma da Previdência, mais ricos seguem rindo à toa, diz pesquisador

Com Reforma da Previdência, mais ricos seguem rindo à toa, diz pesquisador

Leonardo Sakamoto – “Se o objetivo era combater privilégios, por que não ter priorizado a Reforma Tributária, taxando a renda e o patrimônio das camadas mais ricas?” O questionamento é de Eduardo Fagnani, professor do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e pesquisador do Centro de Estudos Sindicais e do Trabalho. “Para … Continue lendo »
Brasil neoliberal vê fortuna de ricos crescer e salário de pobres estagnar

Brasil neoliberal vê fortuna de ricos crescer e salário de pobres estagnar

ANDRÉ BARROCAL – Desde 2015, patrimônio financeiro dos milionários subiu 45%, desemprego quase dobrou e salário estancou. O Itaú teve lucro recorde em 2018, 25 bilhões de reais, e anunciou recentemente outra fortuna em ganhos no primeiro semestre, 13 bilhões. Ao comentar o novo resultado, seu presidente, Cândido Bracher, disse nunca ter visto o Brasil … Continue lendo »
A inacreditável eutanásia da produção industrial brasileira

A inacreditável eutanásia da produção industrial brasileira

José Martins – Para justificar a aprovação da reforma da Previdência os economistas brasileiros (do governo e do mercado) não cansavam de dizer que ela era necessária para que a economia voltasse a crescer. O mesmo argumento, aliás, que também utilizaram nos casos da reforma trabalhista, teto de gastos do Orçamento, privatizações de empresas e … Continue lendo »
Como os pobres sustentam os ricos

Como os pobres sustentam os ricos

Frei Betto – Em menos de 24 horas a França ar­re­cadou 2 bi­lhões de euros para re­cons­trução da Ca­te­dral de Notre Dame, na qual fiéis, sa­cer­dotes, bispos e car­deais ma­ni­festam a fé de que todos os seres hu­manos são fi­lhos de Deus e me­recem viver com dig­ni­dade. A mesma França que desde 1957, ou seja, … Continue lendo »
Crescimento, Estado de bem-estar e a democracia seguirão ameaçados

Crescimento, Estado de bem-estar e a democracia seguirão ameaçados

Fernando Canzian – Para economista, quanto maior a desigualdade, menor a tendência de crescimento e da parcela de ricos interessados em financiar serviços públicos aos demais. Um dos maiores especialistas em desigualdade global, o economista Branko Milanovic diz que o encolhimento da classe média em países como os EUA leva à ascensão de líderes populistas … Continue lendo »
Crise do capitalismo sem consumidor é tema de Ladislau Dowbor

Crise do capitalismo sem consumidor é tema de Ladislau Dowbor

Luciano Velleda – Para o economista, a situação do Brasil é explicada pela compreensão do modelo em que empresários não mais produzem e enriquecem no sistema financeiro. Ladislau Dowbor diz que o empresário produtivo não precisa de discurso ideológico. Ele precisa é de demanda para ter para quem vender, e crédito barato para poder investir. … Continue lendo »
Arquitetura da destruição

Arquitetura da destruição

Ana Araújo e José Martins – Aumenta a ingovernabilidade. E a conjuntura política ferve. Nesta semana, com bem mais desenvoltura, as classes dominantes brasileiras e seu atual governo jogaram mais fichas em uma radicalização política e engessamento das instituições. O presidente da República, Jair Messias Boçalnaro, e seu ministro da justiça, Sérgio Moro, são os … Continue lendo »
Apesar de proibido, BNDES emprestou mais de R$ 60 milhões à Taurus

Apesar de proibido, BNDES emprestou mais de R$ 60 milhões à Taurus

Bruno Fonseca – Foi em 9 de agosto de 2013, na sede social localizada na Vila Ipiranga, em Porto Alegre, que os membros do conselho de administração da Taurus bateram o martelo — estava decidido que, sim, tomariam um empréstimo milionário ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Segundo a proposta, acordada pelos … Continue lendo »
O “velho capitalismo” e seu fôlego para dominação do tempo e do espaço (I)

O “velho capitalismo” e seu fôlego para dominação do tempo e do espaço (I)

João Vitor Santos – Entrevista especial com Luiz Gonzaga Belluzzo. A plasticidade do capitalismo permite que ele assuma o espírito do tempo e, com isso, vá se transmutando e se tornando senhor do tempo e do espaço. “O velho capitalismo reconciliou-se com sua natureza inquieta e criativa. Tão inquieta e criativa que rapidamente transmutou a concorrência perfeita em concorrência monopolista”, observa … Continue lendo »