A luz que vem do Uruguai

Carlos Alberto Mattos – ‘Uruguai na Vanguarda’ mostra a história por trás dos avanços sociais e políticos que fizeram o país de José ”Pepe” Mujica ser chamado de ”Suíça das Américas”

Este texto foi escrito a pedido da produção do filme. É uma peça de divulgação, mas não trai a minha impressão a respeito do documentário.

Garantia de direitos trabalhistas, lei de cotas, equidade de gêneros, reconhecimento político da diversidade sexual, matrimônio igualitário, interrupção voluntária da gravidez, regulamentação do uso da maconha – todas essas conquistas do povo uruguaio nos últimos 30 anos estão na pauta do documentário Uruguai na Vanguarda. A coprodução Brasil-Uruguai da Urbano Filmes é dirigida e produzida por Marco Antonio Pereira.

Com a participação de cientistas políticos e sociais, historiadores, ativistas, educadores, políticos e artistas, o filme vai atrás das raízes desses movimentos que colocaram o pequeno país da América do Sul na linha de frente da justiça social no século XXI.

Nenhum processo histórico surge de repente. Os depoimentos colhidos por Marco Antonio Pereira remontam às reformas do battlismo, na primeira metade do século XX, quando se firmou o estado laico no Uruguai e criaram-se as bases de uma sociedade reformista e progressista. A ditadura civil-militar instalada em 1973, que durou 12 anos, interrompeu esse processo, mas criou um lastro de resistência que iria florescer nos movimentos sociais a partir de meados da década de 1980.

Foi quando os diversos agrupamentos reivindicatórios começaram a se articular e se fortalecer mutuamente, estimulados pela vitória da Frente Ampla esquerdista em 1990. Estava aberto o caminho para os futuros governos de Tabaré Vasquez (2005-2010 / 2015-2020) e José Mujica (2010-2015). Os movimentos sociais levavam, enfim, suas causas das ruas para as agendas do poder político.

Uruguai na Vanguarda aborda cada aspecto importante dessa bela história de triunfos sociais. Destaca a participação das mulheres na saída da ditadura e na descriminalização do aborto. Ressalta o papel dos jovens na liberação do uso controlado da maconha. Enfatiza o lugar do candombe, o tradicional ritmo de tambores africanos, na resistência contra o autoritarismo e na luta contra o racismo dissimulado num país que recalca sua parcela afrodescendente.

Através dos múltiplos pontos de vista enfocados, o filme traz, ainda, uma discussão sobre a identidade nacional uruguaia. Fala-se de um país que se pretende “europeu”, domesticamente tranquilo e internacionalmente avançado, mas por outro lado contraditório e com bolsões de hipocrisia. Ou seja, nem o inferno, nem o paraíso.

As vozes também se levantam para criticar a inutilidade prática de algumas leis, que só beneficiam pequenas parcelas da sociedade ou sobrecarregam os cidadãos de exigências a ponto de desestimularem o seu uso. A vanguarda tem um preço, e no caso do Uruguai esse preço é seguir lutando pela ampliação dos direitos e por formas mais participativas de democracia.

Uruguai na Vanguarda tempera sua análise histórica com um olhar poético sobre Montevidéu, suas praças e ruas ora sossegadas no cotidiano, ora tomadas pela pulsação dos frequentes atos políticos. Um ponto da cidade que merece atenção especial é o antigo cortiço “Medio Mundo”, no Barrio Sur, tido como o berço do candombe. Seus moradores foram desalojados pela ditadura em 1978, e o local é hoje uma réplica sem alma. Mas os tambores jamais se calaram.

A trilha sonora do documentário reúne sucessos de Ana Prada e outros compositores uruguaios, incluindo milongas e candombe.

https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Cinema/A-luz-que-vem-do-Uruguai/59/45294

Responda