Ataque a Bolsonaro despolitiza debate e põe esquerda no alvo

Sergio Lirio — A exploração política do episódio, diz o filósofo, tende a esvaziar a discussão de propostas e abre espaço para o candidato ampliar o eleitorado.

Em março, quando a caravana de Lula foi alvejada por tiros e uma parte dos brasileiros, entre eles Jair Bolsonaro, aplaudiu o ataque, o filósofo Vladimir Safatle alertou em entrevista a CartaCapital para a escalada de violência. “Vivemos uma fase cada vez mais explícita de guerra civil. A sociedade brasileira caminha para os extremos da radicalização política”.

A previsão se confirma com a agressão a Bolsonaro em Juiz de Fora, Minas Gerais. Com quais consequências? A despolitização da campanha eleitoral e o fim do debate das ideias, o que, segundo Safatle, favorece a quem almeja colocar no Palácio do Planalto a junção de extrema-direita com neoliberalismo.

CartaCapitalQuais as consequências político-eleitorais da agressão ao candidato Jair Bolsonaro?

Vladimir Safatle: Em hipótese alguma Bolsonaro conseguiria vencer uma eleição. Seu teto eleitoral foi alcançado há meses. Ele está faz tempo estacionado no mesmo patamar de intenções de votos e representa um setor bastante minoritário da população. Por isso não teme em flertar com a ditadura, com a aceitação do passado autoritário, e cuja política econômica é simplesmente delirante, um neoliberalismo puro e duro que em nenhum lugar foi aplicado da forma como os assessores dele propõem. Nos locais onde foi em parte aplicado, os resultados têm sido catastróficos.

Só mesmo com um fato novo uma candidatura como esta poderia conseguir agregar eleitores para além do seu setor de representação social. É óbvio que haverá uma instrumentalização política. E é óbvio que, de uma maneira ou de outra, o episódio irá influenciar o processo político-eleitoral. O que acontece no Brasil é significativo em relação ao contexto mundial. O País tende a se tornar um laboratório de um modelo de aplicação do neoliberalismo ainda não testado. Seria uma junção da extrema-direita, com traços fascistas, e neoliberalismo. A extrema-direita na Europa não é neoliberal. Ela é antiliberal. Por isso, inventaram por lá uma outra configuração, como no caso da França, uma tentativa de criar um neoliberalismo com “rosto humano”.

CCO senhor acredita em uma escalada da violência na campanha?

VS: A campanha se demonstrava muito violenta desde o início, desde os tiros disparados contra a caravana do Lula e das declarações de estímulo aos ataques, inclusive do próprio Bolsonaro. O candidato externou recentemente a ideia de “metralhar” os opositores, os petistas. Um elemento como este só potencializa o fato, em relação ao qual deveríamos estar cientes: a sociedade brasileira entrou em conflito aberto. Não há mais condições para certos setores encontrarem um campo político comum. Isso só vai ficar cada vez mais explícito.

CC: Ainda vê risco de as eleições não acontecerem?

VS: Sim, mantenho a minha avaliação de que não teríamos eleições em 2018. Há várias formas de ela não acontecer. Não há nenhuma condição, em uma situação normal, de que esta política econômica implementada por Michel Temer e defendida por vários candidatos, entre eles Bolsonaro, saia vencedora das urnas.

É uma pauta claramente rechaçada pela maioria da população. Por isso é preciso criar situações artificiais, distorcendo o sentido da eleição, para que essa pauta tenha alguma possibilidade de ser chancelada. Não falo aqui da agressão a Bolsonaro, mas dos movimentos para barrar a legitimidade da disputa. Quem fez o que fez nos últimos dois anos, quem deu um golpe parlamentar, não tem disposição de aceitar um resultado diferente daquele projetado. Não há possibilidade de um candidato com uma pauta de esquerda, mesmo se vitoriosa nas urnas, assumir. Como vai acontecer, quais os elementos serão mobilizados, é imprevisível. Essa eleição está esvaziada desde o início.

CC:  A esquerda tende a ser criminalizada depois do episódio?

VS: Essa será a retórica mobilizada daqui para frente. Mesmo que o responsável pela agressão seja um indivíduo com traços claramente esquizofrênicos, delirantes… Ele disse ter atacado a “mando de Deus”. Pouco importa. A narrativa está criada. A esquerda, de uma forma ou de outra, seria a responsável, embora seja muito bom lembrar que ela tem sido a principal vítima durante todo esse processo e nunca respondeu. Foi alvo de provocações do próprio Bolsonaro. Agiu de forma contida. Mas nada disso vai ser levado em conta.

O jogo retórico para forçar ligações que não existem está em curso. É o esperado. A esta altura, o Bolsonaro é o único candidato viável para a direita. E vão tentar de tudo para que ele vença. A despolitização completa da campanha é a última cartada. Ela precisa seguir por outro lado, longe das discussões de propostas e ideias. E o episódio infelizmente serve a este propósito.

Desde o retorno das eleições diretas, o consórcio que promoveu o golpe de 1964 nunca havia conseguido comandar um processo eleitoral. Esteve sempre à reboque, aliado a outros projetos. Com a falência da Nova República, o esvaziamento da dicotomia PT-PSDB, esse consórcio (militares, empresariado, setores conservadores da Igreja e da mídia) enxergam a possibilidade de voltar ao poder sem intermediários.

https://www.cartacapital.com.br/politica/safatle-ataque-a-bolsonaro-despolitiza-debate-e-poe-esquerda-no-alvo

Professor, mestre em geografia urbana pela USP e criador do site Controvérsia e escreve semanalmente.

Responda