Antropóloga cita Marielle e diz ser preciso provocar vergonha nos criminosos

Fernanda Mena – Decana nos estudos sobre segurança pública no Brasil, a antropóloga Alba Zaluardiz só ter visto nos tempos da ditadura militar mobilização popular tão grande e intensa como aquela motivada pelo assassinato da vereadora carioca MarielleFranco (PSOL).

Para a professora da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), no entanto, o crime contra a política do Complexo da Maré pode extrapolar a retaliação a suas firmes denúncias de violações de direitos humanos, em especial por parte da polícia.

“Por que mataram Marielle?”, questiona Zaluar, que desconfia tanto de milícias e policiais corruptos, interessados em sabotar a intervenção federal, quanto da extrema direita, numa tentativa de espalhar o pânico para vender uma solução radical nas próximas eleições. Para ela, cidadãos precisam se envolver mais nas questões de segurança, que não poderia ser creditada como algo de responsabilidade só do Estado.

Folha – Quais hipóteses a sra. levanta para o assassinato de Marielle Franco?

Alba Zaluar – Ela irritava muito os militares na linha do [deputado federal Jair] Bolsonaro [PSL-RJ], que são adeptos da violação de direitos civis e sociais dos mais pobres. Certamente ela incutia raiva também nos milicianos e nesses policiais que violam direitos humanos. Só que nessa trama havia se instaurado uma intervenção federal. Portanto pode haver um aspecto de sabotagem aí. Houve um anterior.

Como assim?

O episódio da Vila Kennedy é muito esquisito. O Rio está coberto de camelôs, sem que a prefeitura faça nada. Por que justamente quando o Exército entra naquele complexo residencial a prefeitura resolve, sem aviso prévio, entrar com tratores e derrubar uma série de quiosques de pessoas que tinham seu comércio ali há 15 ou 20 anos? Não tem sentido. No meu entender, foi para jogar a população local contra a intervenção federal.

E no caso da Marielle?

Esse assassinato brutal pode ser algo planejado para provocar confusão e rejeição à intervenção. Podem estar envolvidos todos os grupos ameaçados pela intervenção: policiais corruptos e violadores de direitos, milicianos e até facções. Ainda assim, não acredito no envolvimento de nenhum comando, porque Marielle tinha uma defesa muito clara dos direitos humanos, o que apela bastante para o pessoal que está preso.

sra. é simpática à intervenção federal?

Eu era contra a intervenção, mas até agora não fizeram nada de errado.

Mesmo as declarações de que era preciso evitar uma nova Comissão da Verdade ou os mandados de busca e apreensão coletivos?

A intervenção é um erro em si. Não podem querer que o jovem com fuzil seja alvo, porque ele só pode ser morto caso esteja atirando em alguém.

Mas o general tem me parecido uma pessoa sensata. Ele está combatendo as milícias, está fazendo uma avaliação de cada batalhão da Polícia Militar. Na Vila Kennedy, ele se preocupou em derrubar barricadas que impediam o ir e vir da população local. Ainda assim, a intervenção não vai solucionar o problema. O que o Brasil precisa é um Plano de Segurança Pública Nacional.

Como teria de ser esse plano?

Elaborado por um governo legitimamente eleito, que tenha a confiança dos governados e dos estados. Só então teremos condições de atacar o problema com a troca de informações entre os entes da federação e os vários órgãos da segurança.

Quais as consequências políticas do assassinato de Marielle?

PSOL vai se fortalecer no Rio ao mesmo tempo em que Bolsonaro deve perder terreno, porque a morte dela provocou uma enorme comoção. As pessoas ficaram indignadas com a covardia daquele ato e isso abriu a possibilidade de se pensar como ela pensava: garantindo os direitos civis e sociais da população mais pobre.

Marielle era uma vereadora muito atuante e uma pessoa muito querida. Debatíamos muito, porque não estou de acordo com certas posições do PSOL. Mas ela era gentil e aberta. Então, ela me ouvia e eu a ouvia também. Eu estava na manifestação na Cinelândia e na Assembleia. Foi impressionante. As pessoas estavam chorando nas ruas. Eu não via isso desde o regime militar. Mas as bandeiras eram horríveis.

Quais?

Tipo “Abaixo a intervenção federal”, que pode ter sido até posta por provocadores e pessoas interessadas nisso. Mas também pode ter sido obra do PSOL, que é contra e ponto. Ainda que eles tenham finalmente se reunido com o general Braga Netto, o que me deixou bastante contente.

Tinha também “Fim da TV Globo” e “Fim da Polícia Militar”, ou seja, 300 mil empregos a menos no Rio de Janeiro.

A ideia de acabar com a PM é recorrente em protestos.

É uma coisa estúpida, porque a PM tem mais de 40 mil membros no estado. Não dá pra acabar com ela. O que tem de se fazer é uma reforma.

Há falta de preparo também?

Os policiais estão absolutamente estressados. Enfrentar garotos com fuzil na mão não é mole. Eles estão sendo caçados. Mais de cem morreram no ano passado. Neste ano já são quase 30. Eles precisariam de tratamento, mas não há tempo pra isso porque eles precisam ir pra rua. Tem um monte em serviços burocráticos para fugir das ruas.

Quantas mortes de inocentes por balas perdidas podem ser fruto desse estresse?

Aí vem uma falta de treinamento a respeito de quando intervir. Várias situações de presença em favelas altamente povoadas não fazem sentido porque não pode haver troca de tiros ali. Melhor ir embora. Mas o problema é que acontecem coisas como no Complexo do Alemão, quando traficantes foram dar tiro na UPP.Aí fica difícil porque nenhum ser humano quer morrer, então a reação é atirar de volta. E aí, pronto, pega em gente que não tem nada a ver com isso.

Mas os traficantes também trocam tiros entre eles nessas mesmas áreas e também provocam a morte de pessoas que não têm nada a ver. E aí está o meu problema com o pessoal do PSOL e dos direitos humanos: eles se calam sobre isso.

Sobre a violência do tráfico?

Sim. É uma violência extrema a dos comandos. Isso tem de ser denunciado também. Faz parte do pacote. E eles simplesmente não tratam disso como um problema, mas é.

E tem a coisa de apresentar os jovens traficantes como vítimas do Estado, coisa que eles são, mas é algo que também os deixa confortáveis para continuarem fazendo —desculpe o termo pouco acadêmico— a merda que eles fazem, trocando tiros entre si, matando quem não tem nada com isso.

Eles não são vítimas também da falta de oportunidades?

São vítimas, mas também agentes. Marielle era agente. Agia combatendo a violência policial. Essa perspectiva ‘vitimizante’ infantiliza os cidadãos brasileiros, que têm responsabilidades. Está na Constituição. Mas temos também de combater a violência do tráfico. Por que a população aceita que aqueles meninos andem pra cima e pra baixo com fuzis?

Todo processo de pacificação de sociedades passa por provocar vergonha em quem comete crimes, ainda mais em quem mata. Se não houver uma mudança de mentalidade, isso não vai acabar.

Trabalhei muito tempo na medicina social da Uerj e aprendi com o pessoal do SUS que sem a participação e cooperação daqueles que são alvo da política, não dá certo.

No caso da violência e da criminalidade acontece a mesma coisa: coloca-se a responsabilidade 100% no Estado, como se a sociedade não tivesse nenhuma contribuição.

Como mudar isso?

Quem se cala diante dessa violência passa a ideia de que é justificável que o jovem vá pra rua roubar pessoas, tirar seus bens ou mesmo tirar vidas nessas guerras de facções. Assim, isso não vai ter fim.

As pessoas têm de estar dispostas a cooperar de alguma maneira. Está aí o disque-denúnciaE é preciso criar mecanismos para que testemunhas de homicídios possam de fato testemunhar. É muito importante denunciar quem exerce um poder ilegítimo e despótico como aquele que os traficantes exercem.

O cidadão tem de se enxergar como responsável parcial por este cenário. O Estado não vai resolver isso sozinho.

https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/03/antropologa-cita-marielle-e-diz-ser-preciso-provocar-vergonha-nos-criminosos.shtml

Responda