Super-ricos ficam com 82% da riqueza gerada no mundo em 2017, diz estudo

Helton Simões Gomes – Metade mais pobre da população mundial não ficou com nada do que foi gerado no ano passado, diz pesquisa da Oxfam.

A cada dois dias uma pessoa se tornou bilionária entre março de 2016 e 2017

Cerca de 7 milhões de pessoas que compõem o grupo dos 1% mais ricos do mundo ficaram com 82% de toda riqueza global gerada em 2017, aponta um estudo divulgado nesta segunda-feira (22) pela organização não-governamental britânica Oxfam antes do Fórum Econômico Mundial, que ocorre em Davos, na Suíça.

A metade mais pobre da população mundial, por outro lado, não obteve nada do que foi gerado no ano passado. Esse grupo reúne 3,7 bilhões de pessoas, mostra o relatório “Recompensem o trabalho, não a riqueza”.

Favela da cidade de Nkaneng, na África do Sul, em imagem de julho (Foto: Odd Andersen/AFP)

Favela da cidade de Nkaneng, na África do Sul, em imagem de julho

Para fazer seus levantamentos, a ONG britânica de combate à pobreza usa dados sobre bilionários da revista “Forbes” e informações sobre a riqueza em escala global de relatórios do banco Credit Suisse.

1 bilionário a cada 2 dias

Entre os mais ricos do mundo, há um grupo ainda mais VIP, formado apenas por bilionários. Segundo o estudo, o número de bilionários registrou o maior crescimento histórico. Entre março de 2016 e março de 2017, o mundo ganhou um novo bilionário a cada dois dias e o grupo somou 2.043 pessoas. A cada 10 deles, nove são homens, ao passo que, entre os mais pobres, a maioria é mulher.

A Oxfam atribuiu o crescimento isso a dois fatores:

A variação positiva das principais bolsas de valores do mundo eleva o patrimônio dessas pessoas, que possuem muitos ativos financeiros. “Eles estão mais sujeitos ao sabor das variações na Bolsa”, explica Rafael Georges, coordenador de campanhas da Oxfam.

  • A quantidade de distribuição de lucros e dividendos também cresceu e ajudou a levar o patrimônio de ricos ao patamar bilionário. Mas isso, diz Georges, foi feito às custas da precarização de relações trabalhistas. O movimento, conduzido entre 2008, início da crise global, e 2012, foi realizado por cerca de 100 países. Em 2017, chegou atrasado ao Brasil, que colocou sua reforma em prática somente em novembro.
    Renda
  • No ano passado, a riqueza da elite global aumentou em US$ 762 bilhões, quantia suficiente, segundo a Oxfam, para acabar com a pobreza extrema mais de sete vezes. Enquanto isso, a metade mais pobre da população mundial vive com renda diária entre US$ 2 a US$ 10.

De acordo com cálculos da entidade britânica, dois terços da riqueza dos bilionários é oriunda de heranças, rendimentos vindos da atuação empresarial em setores monopolizados e de vantagens adquiridas por meio de relações com os governos.

Super-ricos x super-pobres

Citando dados do banco Credit Suisse, o estudo mostra que a distância entre os muito ricos e os muito pobres continua aumentado. E, diminuí-la, exigiria um crescimento da economia que é insustentável para o meio ambiente.

Entre 1980 e 2016, o grupo 1% mais rico ficou com 27% do crescimento da renda global. No mesmo período, a metade mais pobre do mundo ficou com 13% da riqueza gerada.

Caso esse nível de desigualdade se mantenha, fazer todos passarem a ganhar US$ 5 a mais por dia necessitaria que a economia crescesse 175 vezes.

Bilionários x super-pobres

A Oxfam revisou a quantidade de bilionários que detém a mesma renda de metade da população mais pobre do mundo. O relatório anterior aponta que, em 2016, só oito bilionários detinham renda equivalente à metade mais pobre do mundo.

Essa comparação é feita com base em informação do Credit Suisse, que alterou a metodologia de cálculo de patrimônio no fim do ano passado. A reavaliação constatou um aumento substancial nas posses dos mais pobres em países como China, Índia e Rússia. Como são muito populosos, o número de bilionários cuja renda em 2016 equivalia à dos mais pobres ficou em 61.

Em 2017, uma maior concentração de renda no topo e um aperto mais intenso na base econômica levaram o número para cima: 42 bilionários concentram a mesma quantidade de dinheiro da metade mais pobre da população global.

O cálculo varia de país para país. Nos Estados Unidos, o patrimônio somado das três pessoas mais ricas equivale ao da metade mais pobre da população norte-americana, cerca de 160 milhões.

No Brasil, os cinco maiores bilionários possuem o mesmo que a metade debaixo da pirâmide econômico.

https://g1.globo.com/economia/noticia/super-ricos-ficam-com-82-da-riqueza-gerada-no-mundo-em-2017-diz-estudo.ghtml

Responda