Fahrenheit 11 de Setembro

Paula Perin dos Santos – O mundo parou quando a mídia divulgava, em tempo real, as chamas das torres do World Trade Center. Papéis e fumaça aos ares e, no solo, o pranto e desespero das pessoas que contemplavam a tragédia.

A partir daí, nos meios de comunicação de massa fervilhavam manchetes, cada qual tentando prender mais seus telespectadores. Muitos desses acreditavam em tudo o que ouviam: as especulações sobre os autores do atentado, as justificativas para tal ato. Na verdade, o mundo precisava de uma explicação, já que a considerada maior potência mundial, equipada de um grande arsenal bélico e inteligência militar, fora vítima de um “atentado terrorista” usando jatos comerciais.

Michael Moore, jornalista e repórter americano, sentiu a necessidade de investigar o fato, já que havia muita obscuridade nas declarações do presidente George W. Bush. De posse de provas, documentos e depoimentos e raciocínio lógico, produziu o documentário “Fahrenheit 11 de setembro”, apresentando uma visão diacrônica que prova o envolvimento do presidente dos EUA em relações comerciais com os Bin Laden e, vai mais além, explicando que a “guerra contra o terror” era apenas uma manobra publicitária para expandir seus negócios na área de armamentos e utensílios de uso militar.

O documentarista deixa claro que é a favor do retorno dos democratas ao poder, já que Bush é republicano e, em dois mandatos, nada fez para melhorar a situação econômica do povo americano nas regiões onde predomina o desemprego. Ao invés disso, segundo ele, manipulou o sonho dos jovens dessas regiões empregando-os, literalmente, para uma guerra que só representava o interesse de Bush em eliminar o “inimigo” de seu pai e explorar o petróleo do Iraque.

Tirando os exageros de caráter político e algumas cenas sensacionalistas, Michael Moore apresenta uma boa explicação para o episódio que ainda hoje constitui fato contemporâneo, uma vez que o governo americano insiste em manter suas tropas no Iraque, sob o pretexto de que estão instalando a “democracia” no país. Todos os dias a imprensa divulga ataques envolvendo homens-bomba, que vitimam civis e soldados americanos. Lamenta-se pelas mortes, mas é a forma que eles usam para protestar contra a invasão americana no Iraque.

Responda