O pensamento raso brasileiro que se acha melhor por ter mais dinheiro

Leonardo Sakamoto – Você sabe com quem está falando?

Teu salário paga só a ração do meu cão.
Conheço gente importante, tô cagando!
Cê vai perder seu emprego, meu irmão.

“Senhor”, não! Me chame de “doutor”!
Vai morrer dirigindo ônibus, seu otário.
Aeroporto com gente pobre é um horror.
O povo nesse shopping não era ordinário.

Isso que dá vir em lugar com essa gentinha.
Desculpe, mas marca de pobre não vou usar.
A aluna cotista tem cara de trombadinha.
Antes, as pessoas sabiam bem o seu lugar.

O dólar alto espanta de Miami aquele povinho.
Só passa fome, neste país, quem não trabalha.
Não sei quem foi, mas deve ter sido o escurinho.
Este clube não deveria aceitar tipo de gentalha.

A ausência de conhecimento sobre o outro leva ao medo e colabora com comportamentos e frases bizarras, revelando o lado mais sombrio da alma de cada um. Não se espera que os mais ricos passem a defender que os mais pobres tenham os mesmos direitos que eles – isso é o sistema. O que não significa que não tenhamos que lutar para garantir que esses direitos sejam efetivados.

Chegará o dia em que será comum responder “Quem você pensa que é” para quem rosnar “Você sabe com quem está falando?”. Mas, mesmo com muito trabalho de educação para os direitos humanos, concomitante a mudanças estruturais para garantir que a República realmente sirva ao interesse comum, ainda assim levará um rosário de gerações até que frases forjadas pelo preconceito e a soberba tornem-se peça de museu.

http://blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br/2016/07/02/o-pensamento-raso-brasileiro-que-se-acha-melhor-por-ter-mais-dinheiro/

Professor, mestre em geografia urbana pela USP e criador do site Controvérsia e escreve semanalmente.